Bezerra da Silva ‘Alô malandragem, maloca o flagrante’

“Alô, alô, todas as favelas do meu Brasil”. De Pernambuco e do coco para o Rio de Janeiro e o samba, Bezerra da Silva se tornou o porta-voz de todas as favelas do Brasil. E ainda mais: é voz presente em qualquer churrasco de laje que se preze – se não rolar uma do Bezerra num evento como esse, é fria.

Esse disco consegue reunir todos os temas tratados por Bezerra e a capa já entrega a faixa 3, “Quem Usa Antena É Televisão”, em que Bezerra narra a história do Chico e sua cabeça enfeitada. Antes disso, o disco abre com a talvez mais pop das músicas de Bezerra: “Malandragem Dá Um Tempo”, já cantadas por Planet Hemp e Barão Vermelho.

Violência, crimes, causos, e personagens da periferia (com o alcaguete, sempre presente nos discos de Bezerra) vão aparecendo com o passar das faixas e o álbum acaba com “Compositores de Verdade”, uma homenagem à legião de pessoas que deram suas letras para que Bezerra se tornasse a grande voz da periferia.

Nesse universo, até o vovô que baixa no terreiro dá o recado para que o filho ande na linha, se não o couro vai comer: “Você engana todo mundo, menos o povo de Aruanda” (“Vovô Cantou Pra Subir”).

Até a inflação aparece em “A Rasteira do Presidente”, com frases geniais como “meu salário é mínimo mas é o máximo que eu posso conseguir”. Alô Malandragem, Maloca o Flagrante! é um clássico do partido alto e das vielas. Pintou sujeira? Maloca o flagrante que tá tudo certo, malandragem.
Marcos Lauro

  1. MALANDRAGEM DÁ UM TEMPO
    Popular P / Adelzonilton / Moacir Bombeiro
  2. DEFUNTO GRAMPEADO
    Evandro do Galo / Pedro Butina
  3. QUEM USA ANTENA É TELEVISÃO
    Pinga / Celsinho da Barra Funda
  4. MALOCA O FLAGRANTE
    Tonho / Cláudio Inspiração / Laureano
  5. VOVÔ CANTOU PRA SUBIR
    Roxinho / Alicate de Niterói
  6. A RASTEIRA DO PRESIDENTE
    Bicalho / Silvio Modesto
  7. MEU BOM JUIZ
    Beto s/ Braço / Serginho Meriti
  8. LÍNGUA DE TAMANDUÁ
    Valmir / Tião Miranda
  9. NA BOCA DO MATO
    Luiz Grande
  10. SUA CABEÇA NÃO PASSA NA PORTA
    Barbeirinho do Jacarezinho
  11. OS DIREITOS DO OTÁRIO
    1000tinho / Jorge Garcia
  12. COMPOSITORES DE VERDADE
    Romildo / Édson Show / Naval

RCA Victor 109.0145, LP

Direção Artística: Miguel Plopschi
Produção Executiva: Aramis Barros
Assessor de Produção: Genaro
Arranjos e Regências: Zé Menezes
Técnicos de Gravação: Luiz Carlos T. Reis – Mário Jorge Bruno
Mixagem. Luiz Carlos T. Reis
Auxiliares: Mauro Moraes – José Sartori
Supervisão do Estúdio: Edeltrudes Marques (Dudu)
Manutenção do Estúdio: Ricardo Luppi – Walker Caputo – ABD Chaffat Hammury
Montagem: Esveraldo Ferreira
Supervisão de Audio: Gunther J. Kibelktis
Corte: José Oswaldo Martins
Arregimentação: Gilberto D’Avila
Supervisão Gráfica: Tadeu Valério
Capa: Sérgio Pagano e Valério do Carmo
Fotos: Sérgio Pagano
Arte Final: Vittore Talone
Produção Fotográfica: Angela Izabel






Fabio Silvahttp://#
Paulistano, Corintiano, casado, pai de dois filhos e um apaixonado pela cultura do Samba.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Discover

Publicidade

Últimas Publicaçoes

Henrique Cazes

Henrique Cazes (Henrique Leal Cazes, Rio de Janeiro, 02/02/1959). Nascido em uma família de músicos amadores do subúrbio carioca do Méier, começou a tocar violão com...

Mauro Diniz

Mauro Diniz (Rio de Janeiro, 1952) é um arranjador, compositor, músico, cantor e compositor brasileiro, cujo estilo incorpora o samba e pagode. Filho do compositor...

Jayme Vignoli

Cavaquinista, arranjador, compositor e produtor musical nascido no Rio de Janeiro em 13 de março de 1967, Jayme Vignoli começou a tocar cavaquinho aos treze anos....

Wanderson Martins

Wanderson Jorge de Paula Martins (Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 1962), mais conhecido como Wanderson Martins, é um instrumentista, produtor musical e...

Dino 7 Cordas

Horondino José da Silva, conhecido como Dino 7 Cordas, (Rio de Janeiro, 5 de maio de 1918 — Rio de Janeiro, 27 de maio...