Bezerra da Silva ‘Eu não sou santo’

‘Eu não sou santo’

Bezerra da Silva, monstro sagrado do coco e do partido alto, cantou como ninguém as agruras, misérias, percalços, reviravoltas, malandragem, safadezas, irreverências e desatinos do povo que leva bordoada do Estado, da polícia e da vida todos os dias. Não à toa era era ligado à macumba – que o salvou de um suicídio quando era morador de rua. Foi um artista underground, nunca festejado pelas “majors”, escamoteava o nome de seus compositores pra não entregar de bandeja. Desceu o sarrafo na pior raça que existe: o cagüeta. De acordo com Dicró, foi tão malandro que até a data de sua morte foi 171 (no dia 17 de janeiro). Lia música, tocava tudo que era instrumento de percussão, pisava forte no terreiro, cantava o Brasil das quebradas e terreiros. Gravou quase 30 discos, os últimos dois muito chatos, depois de sua conversão religiosa – que acabou o descaracterizando. Bezerra foi grande, e no meio dessa polêmica babaca e intolerante em tempos de um país cada vez mais “carola”, é de bom tom relembrar o malandro e a antológico “Eu não sou santo“, cuja capa polêmica tinha Bezerra da Silva, que é negro, descalço, com calça branca, boina branca, camisa listrada de vermelho e branco, com uma arma em cada mão, duas outras na cintura e um cinteiro de munição pendurado no ombro. Ele está crucificado em uma cruz de madeira. Por trás deste cristo, em segundo plano, há o recorte de uma favela em contraste com o céu. No alto da cruz, os dizeres “Eu não sou santo”. A intensidade daquelas imagens impressiona, e a música que toca lá dentro, mais ainda. Vamos ouvir.


LADO A: 1 – QUANDO O MORCEGO DOAR SANGUE Cosme Diniz – Rosemberg 2 – O PRETO E O BRANCO Carlinhos Russo – Zezinho do Valle – J. Laureano 3 – MUDO CAGÜETE Pedro Butina – Cosme e Damião 4 – VOVÔ TIRA-TIRA Pedro Butina – Guilherme do Ponto-Chic 5 – BOCA DE RADAR Silvio Modesto – Capri 6 – EU NÃO SOU SANTO Adelzonilton – Nilo Dias – Criolo Doido

LADO B: 1 – SE NÃO AVISAR O BICHO PEGA Jorge Carioca – Marquinho PQD – Marcinho – Participação Especial Genaro 2 – PASSA O RODO NELE Nilo Dias – Nilson Reza Forte – Titio do Pandeiro 3 – DIVINO MESTRE Ewandro de Mattos – Wilson Calazans 4 – O FILHO DE JUREMÁ Bezerra da Silva – Regina do Bezerra 5 – CACHORRINHO DE POLÍCIA Pedro Butina – Pinga – Rodi do Jacarezinho 6 – O POETA OPERÁRIO Romildo – Ney Alberto


RCA – 130.0115, LP

Diretor Artístico: Miguel Plopschi
Produção Executiva: Aramis Barros
Ass. de Produção: Genaro Soalheiro
Arranjos e Regências : José Menezes
Técnico de Gravação e Mixagem : Luiz Carlos T. Reis
Assistentes Técnicos : Luiz Carlos Rodrigues – César Delano – Ronaldo Lima – Dalmo Beloti
Manutenção do Estúdio : Ricardo Luppi – Victor Carmona – Duarte Silveira – Francisco Eudes
Montagem : Esveraldo Ferreira
Supervisão do Estúdio : Edeltrudes Marques
Corte : José Oswaldo Martins – Orlando Leme – Paulo Torres
Arregimentação : Gilberto D’Ávila
Coor. de Catálogo : Genilson Barbosa
Fotos : Wilton Montenegro
Capa : André Teixeira – Wilton Montenegro
Inspiração da Capa : Adelzonilton
Cenário : Léo Rabacov

Músicos:
Dino – violão
Carlinhos – cavaco
Zé Menezes – solos de cavaquinho
Papão – bateria
Gordinho – surdo
Biriba – pandeiro
Beterlau – agogô
Jorge “Bunitinho” – repique de mão
Neném – cuíca
Barbosa – reco
Genaro – ganzá
Bezerra da Silva – Thalamy – Sula – Stênio – Jorge Garcia – Rogério – Jorge “Bunitinho” – Guaracy – Geraldo Bongô – tamborins
Genaro – Bezerra da Silva – Thalamy – Alemão – triguilos
Geraldo Bongô – Bezerra da Silva – tumbadora
Bezerra da Silva – pandeiro de partido
As Gatas: Dinorah – Eurídice – Zenilda – Zélia – Francinete – coro
Os Gatunos: Barbosa – Gordinho – Genaro – Stênio – Copacabana – Tufic – Biriba – coro






Fabio Silvahttp://#
Paulistano, Corintiano, casado, pai de dois filhos e um apaixonado pela cultura do Samba.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Discover

Publicidade

Últimas Publicaçoes

Henrique Cazes

Henrique Cazes (Henrique Leal Cazes, Rio de Janeiro, 02/02/1959). Nascido em uma família de músicos amadores do subúrbio carioca do Méier, começou a tocar violão com...

Mauro Diniz

Mauro Diniz (Rio de Janeiro, 1952) é um arranjador, compositor, músico, cantor e compositor brasileiro, cujo estilo incorpora o samba e pagode. Filho do compositor...

Jayme Vignoli

Cavaquinista, arranjador, compositor e produtor musical nascido no Rio de Janeiro em 13 de março de 1967, Jayme Vignoli começou a tocar cavaquinho aos treze anos....

Wanderson Martins

Wanderson Jorge de Paula Martins (Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 1962), mais conhecido como Wanderson Martins, é um instrumentista, produtor musical e...

Dino 7 Cordas

Horondino José da Silva, conhecido como Dino 7 Cordas, (Rio de Janeiro, 5 de maio de 1918 — Rio de Janeiro, 27 de maio...