Wilson Moreira

Wilson Moreira Serra, ou simplesmente Wilson Moreira (Rio de Janeiro, 12 de dezembro de 1936 – Rio de Janeiro, 07 de setembro de 2018) foi um cantor e compositor brasileiro.

Nascido no bairro de Realengo, na Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro, Wilson Moreira deixou uma coletânea de sucessos. Antes de se dedicar à música, Wilson Moreira teve várias profissões dentre elas as de guia de cego, guarda penitenciário e engraxate. Desde criança, se interessou pelo samba, tendo na família avós e tios que foram jongueiros e tocadores de caxambu.

Em 1955 Wilson foi um dos fundadores da ala dos compositores da escola de samba carioca Mocidade Independente de Padre Miguel. Em 1968 passou a colaborar em outra escola de samba, a Portela, onde faria história na ala dos compositores desta escola de samba. Na Portela onde encontraria grandes parceiros e amigos como Paulinho da Viola, Candeia, Natal da Portela e muitos outros.

O sambista teve as suas composições cantadas por grandes nomes da música brasileira. Leny Andrade, em 1956, gravou pela primeira vez a música de Wilson das Moreira. Compôs temas gravados por artistas como Beth Carvalho (“Te Segura”, “Goiabada Cascão”, “Morrendo de Saudade” e “Peso na Balança”), Alcione (“Gostoso Veneno”), Clara Nunes (“Mulata do Balaio”, “Deixa Clarear”) e Elizeth Cardoso (“Cidade Assassina”). Jorge Aragão, Martinho da Vila também gravaram algumas de suas obras.

“Judia de Mim”, composta ao lado de Zeca Pagodinho e “Quintal do Céu”, são suas composições mais recentes de sucesso. Todavia, o parceiro musical costumeiro de Wilson era o compositor Nei Lopes.

MÚSICAS

Candongueiro
Eu vou me imbora, pra Minas Gerais agora. Eu vou pela estrada a fora, tocando meu candongueiro, oi. Eu sou
Chorar, Sorrir
Chora que é bom Dá alivio a dor do peito Talvez nos venha a dar um jeito Sorrir também é
Deixa Clarear
Ainda é madrugada Deixa clarear Deixa o sol vir dourar os cabelos da aurora Deixa o dia lá fora Cantar
Formiga miúda
Lua que não muda Não muda maré Você não se iluda Formiga miúda Não morde o meu pé Êta, samba
Goiabada Cascão
Goiabada cascão em caixa É coisa fina, sinhá, que ninguém mais acha Rango de fogão de lenha na festa da
Incompreensão
Você não compreendeu A minha dor Por isso o nosso amor morreu As rimas dos meus versos São tantas que
Já Diz o Velho Ditado
E agora Veja só tudo desfeito Nosso amor que era perfeito De repente foi ao léu É Porque você não
Jardim Do Coração/ O Mais Belo Requinte
Um coração é um jardim Onde ninguém passeia Atrás daquela nuvem negra Pode se esconder a lua cheia Quem olha
Jongueiro Cumba
O sino badalou no campanário O hino da Senhora do Rosário O povo todo bonito Dança pra São Benedito Lá
Luanda, Luandê
Luanda, luanda êê Luanda, luanda aa Noite em angola Êê bambu (2x) Lá em angola nego se unia Com muita
Meu apelo
Eu vou acabar enlouquecendo Se você não me quiser Eu lhe quero tanto bem Meus olhos choram lágrimas doídas Das
Mocotó do Tião
Eu convidei, você tem que ir Se divertir No mocotó do tião Na estação de acari Lá só se usa
O Mais Belo Requinte
Quando brigar com alguém Ou tiver um transtorno qualquer Faça da vida um prazer Que o mais belo requinte É
Okolofé
Velho mestre Sebastião Prata Vinho de boa pipa Oguirê, okolofé Quero a sua benção Salve essa bondade! Orê, Orê! Em
Oloan
Ossan, Ossan, Oguirê, Oguirê Toda iluminação de Orum Oloan, Odu, Toda iluminação de Orum Oloan, Odu Eu vou pedir licença
Peito Sangrando
O grande mistério deste enredo É coisa bem simples de entender Entre a terra e o céu não há segredo
Peso Na Balança
O meu nome pesa na balança Eu tenho que estar presente Se eu não estiver o povo sente É a
Portela E Seus Encantos
Dá gosto a gente ouvir Faz lembrar os bons tempos da Jaqueira João da Gente cantava bem alto Tenho recordação
Quero Você
Será, ô, será que você ainda não percebeu A modificação que me ocorreu? Será, ô, será que você não vê
Quintal do Céu
Um bangalô No mais lindo canto da cidade Um grande amor Para completar minha felicidade Canção de poesia, primazia A
Senhora Liberdade
Abre as asas sobre mim Oh senhora liberdade Eu fui condenado Sem merecimento Por um sentimento Por Uma paixão Violenta
Silêncio De Um Bamba
A emoção foi geral, Faltava pouco para o Carnaval. No meio de toda euforia, Nossa Escola chorava. Obedecendo a harmonia,
Tempo de Glória
Conheci a Clementina Graças à essa senhora Que é nossa e dá glória Num tempo que passou Era domingo em

VIDEOS

Fabio Silvahttp://#
Paulistano, Corintiano, casado, pai de dois filhos e um apaixonado pela cultura do Samba.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Discover

Publicidade

Últimas Publicaçoes

Primeiro carnaval oficial de São Paulo foi em 1968

Avenida São João foi o palco do desfile; vencedora foi a escola Nenê de Vila Matilde O primeiro desfile oficial de escolas de samba de...

Eliana Pittman

Eliana Leite da Silva, mais conhecida como Eliana Pittman (Rio de Janeiro, 14 de agosto de 1945), é uma cantora e atriz brasileira. Biografia Eliana Pittman...

O mundo encantado de Monteiro Lobato

O mundo encantado de Monteiro Lobato foi o enredo apresentado pela Estação Primeira de Mangueira no desfile das escolas de samba do Rio de...

Fernando Penteado

Fernando Penteado é realmente um sambista nato, neto de Frederico Penteado (Fredericão) e filho de João Penteado, ambos fundadores do Cordão Carnavalesco Vai-Vai, podendo...

Roberto Silva

Roberto Napoleão Silva (Rio de Janeiro, 9 de abril de 1920 - Rio de Janeiro, 9 de setembro de 2012), mais conhecido como "O...